Sunday, November 1, 2009

Bayeux

Pela imagem do antigo seminário de Bayeux (foto acima), não podemos deduzir o que ele esconde. Na viagem pela Normandia, em pleno mês de agosto, foi o único lugar em que enfrentei fila. Meia hora de espera! Nem o Monte Saint-Michel tinha fila.

O local abriga a famosa Tapeçaria de Bayeux, um bordado do século XII, com 70 metros de comprimento, que conta um capítulo importante da história: A conquista da Inglaterra pelo normando Guilherme em 1066. Antes da conquista, ele era Guilherme o Bastardo. Depois, Guilherme o Conquistador. "Quelle différence!" Depois dele, ninguém mais tomou a Inglaterra.

O museu abriga basicamente a tapeçaria, que leva pelo menos 40 minutos para ser vista. A peça de lã está muito bem conservada e, sem dúvidas, merece a visita.

Encontrei um vídeo muito interessante, com uma versão animada:
Clique aqui http://tinyurl.com/yextpud

Para uma descrição das cenas:
Clique aqui http://tinyurl.com/4rmdsj

Para o site oficial:
Clique aqui http://tinyurl.com/yjqgjd6

Como eu já havia antecipado, uma parte desta história está viva até hoje. O idioma inglês incorporou milhares de palavras latinas pela influência normanda. Por alguns séculos, a Inglaterra ficou dividida em termos linguisticos: Os nobres falavam francês e latim. A plebe, inglês. A tapeçaria, por exemplo, tem texto em latim.

O detalhe é que Guilherme não falava exatamente francês, mas normando. Entre as diferenças mais conhecidas entre o francês e normando da época, o G e o W: Guillaume X William, guerre X war, garde-robe X wardrobe, guarantie X warrant, etc. Notem que, neste último caso, o inglês absorveu a palavra warrant do normando e, tempos depois, guarantee, direto do francês. Os exemplos não param por aí. Já o meu post, termina aqui. A propósito, em inglês: finish (origem latina via francês), terminate (origem latina direta) e end (origem germânica).
Post a Comment