Thursday, December 18, 2008

Deu no Le Monde no Outono de 2008

Deixando Sarkô, Obama e a crise de lado, destaco alguns fatos da última estação:

Num país que enaltece a discussão, nem o recente Nobel de literatura francês Jean-Marie Le Clézio escapa ileso. Um grande número de intelectuais locais simplesmente declararam o prêmio como não merecido. O autor de livros inspirados em viagens é visto por muitos como um autor de "best-sellers". Confesso que os seus livros não estão nos meus planos de leitura.

Já a entrada de Simone Veil para a Academia Francesa parece ter sido mais festejada. Da deportação aos campos de concentração nazistas até hoje, ela já fez de tudo na política francesa, ocupando vários ministérios, presidindo o Parlamento Europeu e, finalmente, participando do Conselho da República.

José Bové quase foi para cadeia. Há poucos anos atrás, ele era mais conhecido no Brasil do que Sarkô. Muitos franceses ficam impressionados com a fama internacional deste político radical, que luta contra os OGM. Talvez ele seja mesmo mais conhecido fora da França. A única coisa que os brasileiros costumam desconhecer é o seu histórico familiar. Oriundo de pais de classe média e vocação acadêmica, o pequeno José (permitam-me chamá-lo de Zezinho) chegou a morar nos Estados Unidos por cerca de três anos, enquanto seus pais estagiavam em Berkeley. O pai era agrônomo, a mãe professora universtária. Zezinho é economista. Como vocês podem perceber, o cara construiu um personagem! E o Zezinho jura que o pai nunca trabalhou com OGM!

A polêmica da hora na Gália é a abertura das lojas aos domingos. Hoje em dia, esta possibilidade ainda é exceção. Na área metropolitana de Paris, encontra-se alguma coisa aberta aos domingos. No resto da França, quase nada. Além da antiga questão da proteção aos trabalhadores, o aspecto mais relevante é a proteção aos pequenos negócios que poderiam ser massacrados pelo grande comércio. Sarkozy comprou a briga por entender que isso é modernizante para a França. O assunto divide a nação.

Foto: Há uns bons meses, passei o final de semana na Isère, onde visitei o castelo medieval de Virieu. A história da família Virieu no local começa no ano 1000. O castelo passou por várias mãos, mas há mais de um século voltou para a família.
Post a Comment