Saturday, April 16, 2011

Rankings

Na última semana, foi publicado o relatório global sobre a tecnologia da informação (TI) 2010-2011. O destaque da publicação é o ranking do "Networked Readiness Index", que coloca o Brasil na 56ª posição.

Global Information Technology Report 2011 (clíque aqui para obter o relatório) O Brasil está na página 178.

O relatório é editado pelo Fórum Econômico Mundial, que também publica o estudo de competitividade global, com o seu ranking do "Global Competitiveness Index", onde o Brasil apresenta-se na 58ª posição.

Global Competitiveness Report 2011 (clíque aqui para obter o relatório) O Brasil está na página 106.

Os dois rankings têm muitos fatores em comum, daí muitos países ocuparem posições próximas em ambos. Um terço do indicador da TI global é baseado na competitividade (environment component). Um terço é específico de TI (usage component). O outro terço é uma combinação de fatores ligados à educação, P&D e TI.

O ranking de competitividade global também inclui fatores ligados à TI. Enfim, há uma grande sobreposição entre ambos.

Vejamos como se chega à 56ª posição do Brasil, através da classificação do país em cada um dos sub grupos:

1 - Environment component - 66
1.1 - Market environment - 93
1.2 - Political and regulatory environment - 64
1.3 - Infrastructure environment - 63
2 - Readiness component - 59
2.1 - Individual readiness - 110
2.2 - Business readiness - 41
2.3 - Government readiness - 56
3 - Usage component - 52
3.1 - Individual usage - 64
3.2 - Business usage - 37
3.3 - Government usage - 48

O ambiente para os negócios deixa a desejar (1), especialmente no que tange ao mercado em si (1.1). Tributação elevada e inadequada, tempo e complexidade para se iniciar um negócio e o peso do aparato legal estão entre os fatores que explicam a nossa 93ª posição.

O componente da prontidão (2) poderia ser melhor se não fosse o legado de um longo déficit educacional. Isto explica o péssimo ranking de prontidão individual (2.1). Outro inibidor deste fator é elevado custo das tarifas telefônicas (fixas e móveis).

Os dois melhores resultados vem do mundo privado (2.2 e 3.2). Isso, a gente já sabia. Muitas empresas atingiram um nível de excelência operacional e administrativa apesar de todas as ineficiências que as cercam.



Foto: O prédio do Carré d'Art (Museu de Arte Contemporânea de Nîmes) fica diante da Maison Carré. Para poder "competir" com a jóia romana, só mesmo um projeto de Norman Foster. Acima, o museu fotografado da Maison Carré. Abaixo, a Maison Carré fotografada a partir do terraço do museu, onde existe um bom restaurante.


Post a Comment