Tuesday, July 10, 2012

Bangkok


Assim como no último post, ilustratrei os próximos com fotos dos templos de Bangkok visitados no final de junho. Também estive numa cidade balneária da Tailândia, mas sem grandes fotos. Estou numa intensa sequência de viagens até o início de setembro. Espero que, pelo menos em agosto, uma dessas viagens seja de férias. Enfim, minha viagem à Tailândia foi centrada numa convenção, sem Phuket nem Koh Lanta.

Nem por isso foi ruim. Nossos anfitriões garantiram uma semana plena em termos gastronômicos e de entretenimento. Entre alguns restaurantes turísticos e outros mais locais, foi excepcional. Apesar de ter frequentado restaurantes tailandêses algumas vezes, não imaginava que me daria tão bem almoçando e jantando aquela comida especialmente saborosa todos os dias. Quando no Extremo Oriente, siga o conselho: Coma tudo e, só depois, pergunte o que era. Ou nem pergunte. A semana foi 100% thai. Bem, é verdade que tomei alguns sorvetes. Ninguém é de ferro!

Para compensar as calorias, deu para malhar bastante. Com a diferença de fuso horário, acordava muito cedo. Ao invés de ficar rolando na cama, levantava e começava o dia, nem que fosse às 4 da manhã: Ler os e-mails do Brasil, corrida na praia, malhação na academia, banho, um bom café da manhã, etc. Parece óbvio, mas eu mesmo já insisti muito em tentar dormir em viagens anteriores.

Bangkok serviu para reviver o caos paulistano. Os templos são lindos, mas o resto... Congestionamento, rio imundo, viadutos cortando a cidade, inúmeros shoppings e uma infinidade de novas construções. A relativa "prosperidade" impressionava ao mesmo tempo que descobríamos outros aspectos da sociedade local.

As aventuras de táxi e tuk-tuk foram hilárias, com os motoristas fazendo de tudo para ganhar comissão de algumas lojas. Um deles, percebendo que estávamos lá para conhecer e não para comprar, simplesmente nos abandonou. Para falar a verdade, cansei de ficar "negociando" com esses motoristas. Também cansei de tirar os sapatos para visitar os templos.
 
Muita gente quer tirar uns bahts a mais quando vê um branquela ocidental boquiaberto. O consolo é que, mesmo sendo roubado, ainda sai barato. E, como diz a propaganda, conhecer um país tão diferente não tem preço.


Foto: O mesmo templo de mármore do post anterior, visto de fora. No post anterior, a tomada foi feita do seu páteo interno. (Wat Benchamabophit)
Post a Comment