Wednesday, February 3, 2010

Pactos diabólicos - Epílogo

Esta sequência de posts foi inspirada no líder religioso norte-americano Pat Robertson, que ganhou quinze minutos de fama fora dos EUA, após as suas declarações sobre a tragédia haitiana. Os leitores deste blog certamente acham que se trata de um simples fanático. Eu diria que é bem pior do que isso.

Pat falou para sua torcida. São muitos milhões de americanos: Brancos, geralmente protestantes praticantes, geralmente eleitores do Partido Republicano. Eu digo geralmente, pois ele tem feito grandes esforços para aumentar a sua base. Lembro que ele já foi candidato à presidência dos EUA.

Pessoalmente, Pat não odeia apenas os negros do Haiti, mas todos os negros. E também os judeus, os muçulmanos, os homossexuais e os direitos da mulher moderna. Ele também odeia as outras correntes protestantes (ele é batista) e os católicos. Ao mesmo tempo, possui uma facilidade inigualável de fazer alianças com qualquer um desses grupos para atingir os seus objetivos. Ele faz pactos.

Apesar da profunda rejeição aos católicos papistas, Pat encontrou no Vaticano um grande aliado para o mais mortal dos seus inimigos: O direito ao aborto. Afinal, o Papa ainda desfruta de uma certa credibilidade, e gosta de sair por aí defendendo o ideário da extrema direita. Mesmo com todo esforço que Pat empreende para fazer uma frente cristã nos EUA, são os próprios protestantes que o sustentam.

O séquito de Pat mais ladra do que morde. Entretanto, esses cristãos radicais já fizeram inúmeros atentados a clínicas e médicos que fazem aborto. Também dão muito trabalho à Justiça americana, entrando com uma avalanche de processos contra os direitos dos homossexuais e das mulheres. Que a Suprema Corte seja louvada!

A aliança inusitada de Pat com Israel é mal compreendida até mesmo entre os judeus. Ele é um antissemita ferrenho, mas um grande aliado de Israel. Aliado de boca e de bolso. Seus motivos vão desde a existência de um inimigo comum (o Islã radical) até aspectos religiosos (vide Apocalipse), que prefiro não explorar em respeito aos leitores.

Enfim, quem é Pat Robertson para falar sobre o pacto com o Diabo?


Foto: Outro castelo importante na região de Salon-de-Provence, o Château de La Barben origina-se de uma fortaleza de quase mil anos. A sua transformação em castelo clássico deu-se no século XVII. O castelo passou 500 anos nas mãos da mesma família (Forbin). Hoje, desenvolve função hoteleira.

Post a Comment